terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Receita: Cuscuz paulista


O cuscuz paulista, típico do interior do estado, é uma das poucas receitas "caipiras" que foi incorporada ao cardápio dos restaurantes da capital. 

O nosso cuscuz deriva do “cous cous” africano, que surgiu na região do Magreb (que compreende Tunísia, Marrocos e Argélia). 

O prato existe desde a época dos berberes, primeiros povos que habitaram o norte do continente. Há registros de que o cuscuz já era preparado dois séculos antes de Cristo.

Hoje, no Brasil, temos dois tipos de cuscuz bem diferentes na concepção: o nordestino e o paulista. 

O comum entre eles é o fato de terem substituído a sêmola de trigo pelo ingrediente da terra: a farinha de milho. 

No Nordeste é feito na cuscuzeira e tem consistência mais esfarelada, como seu primo africano. A receita salgada é bastante comum nas mesas, principalmente no café da manhã. 

Há ainda o cuscuz nordestino doce, que leva coco, leite de coco e algumas vezes açúcar. A textura é parecida com a de um bolo. 

Pode fazer parte de uma refeição no jantar, acompanhado de leite, manteiga de garrafa, ovos fritos ou carne de sol. 


Então, já que aprendemos um pouco da história do prato, vamos ver agora a  receita do cuscus paulista:


  • Ingredientes:

  • 100ml de azeite de oliva
  • 1 cebola média picada brunoise
  • 200g de palmito em conserva picado
  • 150g de ervilha em conserva
  • 150g de azeitonas verdes
  • 350g de molho de tomate
  • 500g de camarão limpo, sem cabeça
  • 300g de farinha de milho
  • 10g cebolinha picada
  • Sal e pimenta a gosto
  • 2 ovos cozidos em rodelas para decorar.

Modo de Preparo:

1-Aquecer o azeite em uma panela e refogar a cebola. 
2-Acrescentar o palmito, a ervilha e a azeitona. 
3-Misturar e refogar por 5 minutos. 
4-Colocar o molho de tomate, o camarão, misturar e ferver por mais 5 minutos. 5-Adicionar a farinha de milho, a cebolinha, o sal e a pimenta. 
6-Cozinhar por mais alguns minutos, mexendo sempre até que fique homogêneo. 
7-Colocar em uma forma teflonada ou em um refratário de vidro com furo no meio untado e decorado previamente com as
rodelas de tomates e ovos. 

8-Apertar bem a massa de cuscuz com auxílio de uma
colher para que a decoração grude na massa. 

9-Aguardar alguns instantes e desenformar.

OBS: Você pode reservar alguns camarões para usar na decoração, ou até mesmo pimenta dedo de moça que combina muito bem com esta preparação.

Pode se comer frio ou quente.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Artigo: Comida Japonesa e Chinesa, a diferença.

“Ah… Japonês, chinês, coreano, vietnamita, tailandês… São todos iguais!”. Será mesmo? 
Pela proximidade da cultura oriental e os aspectos físicos semelhantes, muita gente generaliza tudo em relação ao continente asiático, inclusive com relação a gastronomia. 
O que muita gente não sabe, é que há uma série de diferenças, sobretudo dentro da cozinha, que distinguem cada região e suas peculiaridades..
Se você é uma daquelas pessoas que não consegue diferenciar a comida japonesa da chinesa preste atenção para não cometer deslizes ou erros na hora de classificar.
A culinária do Japão e da China são facilmente confundidas pois, além da troca de costumes, por causa da proximidade dos dois países, há uma infinidade de franquias ao redor do mundo que acabam misturando as duas culinárias.
As principais diferenças estão nos ingredientes utilizados e nos sabores. Na China os pratos são feitos com carnes, vegetais diversos, peixes, arroz, macarrão, empanados, caramelados e fritos. 
A culinária chinesa usa vários tipos condimentos, já a japonesa não. Os ingredientes predominantes da culinária japonesa são o arroz, os peixes crus, frutos do mar, os vegetais, cogumelos, utilizando pouquíssima gordura. 
Os japoneses são discretos no que diz respeito aos temperos (só nisso), eles se resumem basicamente a molho de soja (shoyu), óleo de gergelim, pasta de soja (missô), sakê, vinagre de arroz e raiz forte (wasabi) e nirá.
No dia a dia identificar as duas culinárias é fácil. Aqui, por exemplo, na culinária japonesa o carro-chefe é sushi, sashimi e yakissoba, enquanto na chinesa é as massas, arroz frito e os rolinhos primavera. 
Muita gente me pergunta sobre o Yakissoba... Afinal, é chinês ou japonês??? O preparo tem origem chinesa, até porque lá que foi inventado o macarrão que conhecemos atualmente. Porém o nome dado a este preparo na China é Chow mein(炒面), que significa "Massa frita". Em japonês se diz Yakisoba, que tem o mesmo significado. Com o nome Yakisoba que o prato se difundiu pelo mundo inteiro portanto conhecido como prato japonês. 

O que é chinês, o que é japonês? 


Em linhas gerais, as iguarias que vêm da China são fortemente aromatizadas com especiarias, entre elas o gengibre, pimenta Sichuan e anis-estrelado. Seus pratos são servidos em porções bem maiores pois os chineses tem o hábito que comer em família.
Já a comida japonesa é muitas vezes servida em pedaços pequenos que podem ser facilmente retirados do prato com o auxílio dos “pauzinhos” (hashi).
Em termos de apresentação há muitas variações e tudo vai depender de que tipo de estabelecimento estamos falando. 
As apresentações de restaurantes chineses mais requintados são mais elaboradas esteticamente falando, assim como a japonesa. Na culinária popular é que se vê as maiores diferenças entre os dois.

Principais pratos da culinária japonesa


Sushi:
 É prato feito com arroz temperado com vinagre, açúcar e sal, combinado com diferentes peixes, frutos do mar, vegetais ou ovo. Geralmente é servido com wasabi e com molho shoyu.
Tempura: Prato clássico da culinária japonesa, são pedaços fritos de vegetais ou frutos do mar, envolvidos em uma fina camada de massa feita com farinha, ovo, água, fermento e Hondashi. A fritura é realizada em óleo muito quente, durante poucos minutos. Normalmente é servido com molho agridoce.
Yakitori: O yakitori é o espetinho japonês. Ele é feito com pedaços pequenos de alguma proteína (ex: frango, shitake, carne bovina, carne suína, camarões, lula) ou legumes, montado em espeto de bambu e grelhado sobre carvão. Geralmente é servido com molho tare (feito de mirin, shoyu e açúcar).

Principais pratos da culinária chinesa


Chow Mein:
 É um prato feito geralmente com macarrão ( que pode variar o tipo) vegetais, ovos e carnes (peixes, frutos do mar, porco, boi ou frango),e pode ser frito ou não.
Jiaozi: Comumente chamado de pastelzinho chinês ou gyoza (como é seu nome em japonês) é feito com massa extremamente fina e recheado com carne (suína ou bovina, frutos do mae) e/ou vegetais, que pode ser cozido ou frito.
Rolinho Primavera: Mais conhecido como rolinho primavera ou Harumaki (como é conhecido em japonês), é um rolo feito de farinha de trigo, água e sal que é frito e fica extremamente crocante. Normalmente ele é servido acompanhado de molho agridoce. Bom vocês saberem que este prato não é de origem chinesa, apesar de ser encontrado em alguns pontos da China. O rolinho primavera é vietnamita. 

Bom pessoal, espero de alguma forma ter ajudado vocês a conseguir identificar pelo menos os principais pratos característicos destas culinárias e que a partir de hoje vocês possam identificar o que estão comendo e corrigir quem ainda confunde suas origens :)

Até mais!

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Receita: Gazpacho

Gazpacho (a sopa fria espanhola) era conhecida como “Gazpachillo del pobre”,

um prato simples, consumido desde o século XVII pelos pobres da região da Andaluzia que na necessidade de acabar com a fome juntavam pão e água com o que tivesse disponível.

O nome Gazpacho (de origem e influência árabe) significa pão encharcado, segundo a Larousse da Gastronomia.

Existe uma grande variedade de Gazpachos pelo mundo,mas é de conhecimento de todos que sem o pão molhado, não há gazpacho

Outro ponto importante de ressaltar é sempre servi-lo frio!!!

A sopa é constituída por vegetais crus liquidificados: tomate, pepino, pimentão, cebola, alho (que dá um toque mediterrâneo), temperada com azeite (que assegura a liga), vinagre de vinho, vinho branco ou jerez (que equilibra a acidez), sal (que funciona como catalisador quebrando as fibras vegetais e liberando os sucos), acrescidos de pão de fôrma (que dá a consistência necessária e um mínimo suporte calórico) e água gelada. É claro que os ingredientes podem variar de região para região :)

O ingrediente principal atualmente é o tomate, mas ele só foi incorporado na sopa gazpacho por volta do século XIX, quase 300 anos depois de a fruta ter chegado à Europa pelas mãos dos colonizadores. 

Em Portugal, o Gazpacho é oriundo das regiões do Alentejo e do Algarve. Normalmente, não é integralmente triturado, sendo apenas efetuado os corte dos ingredientes em pedaços pequenos, aos quais se adiciona o pão, em pedaços ligeiramente maiores, no final, antes do tempero com azeite, vinagre e sal a gosto. Para que a sopa fique mais fria, é comum adicionar cubos de gelo.

As receitas espanholas, geralmente, são preparadas através do processamento de todos os ingredientes, ficando com aspecto de um puré cremoso. São conhecidas em Portugal pelo nome de "Gaspacho à andaluza".


Ingredientes:

-250 g de tomate cereja 
-15 g de pimentão verde 
-13 g de pepino 
-25 g de cebola 
-1/2 dente de alho 
-15 g de miolo de pão amanhecido 
-15 g de azeite 
-15 ml de vinho branco 
-2,5 g de sal 
-50 g cubos de gelo 
-25 g de queijo branco ralado de sua preferência

Modo de preparo:

1-Descascar o pepino e o pimentão. 
2-Retirar as sementes de ambos e cortar em cubos médios. 
3-Cortar a cebola em cubos médios.
4-Colocar todos os ingredientes no liquidificador e processar até ficar um purê bem cremoso.
5-Acertar os temperos
6-Sirva em prato fundo ou verrine, e decore com o queijo branco ralado ou esmigalhado.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Receita: Shoyo Lámen (Noodles Soup)


Todas as preparações da cozinha asiática exigem muitos ingredientes, um mise en place perfeito, porém seu tempo de preparo é muito rápido, o que a torna atrativa :D

Esta é uma das receitas muito famosa no Japão, China, Korea! O Lámen!

Vocês sabem o que é Lámen?
Nããão, não é massa miojo hahaha

Lamén ou Ramen ou Noodles Soup é uma sopa de massa com vários ingredientes acrescentados para somar no seu sabor e aroma.

Hoje vou ensinar para vocês um dos tipos mais comuns e gostosos de Lámen, o Shoyo Lámen!



Ingredientes:

-100 g de cebola
-1 dente de alho
-5 ml de óleo de gergelim
-5 talos de cebolinhas verdes.
-500 g de meio frango sem  pele
-100 ml de shoyu
-50 ml de mirin
-50 ml de saquê

-1,5 litros de água
-½  cenoura
-25g de gengibre

-1 folha de kombu (alga marinha )
-1 g de glutamato monossódico

-200 g de massa Udon


Modo de Preparo do caldo:

1- Pique a cebola e o alho e o gengibre em brunoise.
2- Pique a cenoura em cubos pequenos.
3- Em uma panela previamente aquecida, doure a cebola no óleo de gergelim, acrescente o alho, o gengibre, a cenoura, o frango e os talos brancos das cebolinhas.
4- Adicione o sakê mirin, o sakê, shoyo e água.a
5- Quando começar a ferver  apague o fogo.
6- Deixe descansar por pelo menos 8 horas.
7- Retire e fatie a carne de frango, reservando o caldo de shoyo para a finalização do prato.

Modo de Preparo da sopa:

1-  Cozinhe o macarrão de 2-3 minutos em água fervente
2-  Hidrate a Alga marinha Wakame em água de  5 a 10 minutos.
3-  Em uma panela, coloque o caldo coado, o glutamato monossódico, misture e deixe levantar fervura.
4-  Passe tudo imediatamente para tigelas japonesas (domburi), junte o macarrão escorrido, a carne, a alga wakame e a cebolinha verde picada.
5-  Sirva em seguida.


OBS: Esta receita foi uma adaptação da receita tradicional para minimizar o passo a passo e facilitar para que vocês possam executar em casa sem muito trabalho.
Se você é como eu que gosta de uma pimenta,você pode acrescentar ao final da preparação o óleo de pimenta chilli ou no próprio caldo a pimenta chilli seca ou fresca sem sementes. Fica bem bacana:D

Ahh... Esta foto aí que tirei, eu inovei na apresentação, pois na "tradicional" se acompanha com o ovo molet, então fiz um ovo Poché e retirei somente a gema :)
Usei no lugar do frango o porco, então você também pode substituir pela carne que preferir!
Cogumelos são sempre bem vindos hehe...



segunda-feira, 16 de maio de 2016

Artigo: Culinária Tailandesa (Thai food)



A cozinha tailandesa é marcada pela mistura dos quatro sabores no mesmo prato: doce, salgado, azedo e picante. Uma culinária saudável e saborosa, com ingredientes simples que sintetizam o estilo de vida tailandês. É uma gastronomia extremamente vasta em ingredientes, que proporcionam combinações infindáveis através de técnicas elaboradas, resultando em uma comida rica e complexa. “O pré-preparo demanda esmero, tempo, cuidados. 


É uma cozinha elaborada e refinada, muito embora pareça simples muitas vezes, há que ter precisão na execução. Existem inúmeros pratos, às vezes de 
execução rápida, mas que utilizam diversos ingredientes, e esses têm que ter o balanço exato de temperos. Outros são realmente complexos em técnicas e preparo metódico com utilização de muitos ingredientes”.
A pimenta está sempre presente, mesmo que discreta, junto com o açúcar mascavo, o limão e os molhos salgados. O shoyu e o "nam pla" - o molho de peixe tailandês -  fazem o papel do sal. 

O arroz é sempre o ingrediente principal. São utilizados diversos tipos do grão, 
Jasmim, Glutinoso e Marrom são os mais comuns. Entre outros ingredientes indispensáveis está o coentro (folhas, talos, raiz e sementes), echalote, capim cidreira, folha de limão kaffir, galanga, cúrcuma da terra, alho, gengibre, chicória do Pará, pimentas, limão, molho de peixe, açúcar de palma e molho de ostra.

O arroz é o alimento mais consumido na Tailândia, acompanha a maioria dos pratos, seja da forma tradicional ou servido num pequeno cesto de bambu, para você fazer bolinhos com as mãos e molhar na sua sopa, creme ou qualquer tempero do seu gosto. 



Os vegetais e as frutas são bastante utilizados, e a maneira como são combinados e temperados faz tudo ficar muito gostoso. A abobrinha ou a abóbora fazem par perfeito com os curries. O broto de feijão, a cenoura e a vagem ganham um sabor especial quando preparados nos pratos quentes. 



Entre os principais temperos e aromas, destacam-se:

  • Capim Limão: suas folhas são muito fibrosas para serem consumidas e normalmente são retiradas na hora de servir as refeições. O talo é bastante utilizado nos pratos típicos da culinária tailandesa.
  • Pimenta dedo de moça: o sabor apimentado é uma das características da Tailândia, por isso a pimenta dedo de moça é super bem-vinda. Sua picância varia de suave a mediana e pode ser consumida seca ou picada em molhos em geral.

  • Galanga: Pertence à família do gengibre e tem sabor forte e marcante. É muito utilizada na culinária tailandesa e asiática de forma geral em sopas, carnes, vegetais e arroz frito. No Brasil ela só é vendida desidratada. Apesar de ser o “gengibre tailandês”, ela não tem nada a ver com o gengibre que conhecemos e, além de ter um sabor muito diferente, é bastante aromática.

  • Curry: é a mais famosa mistura indiana composta por coentro, gengibre, cúrcuma, feno grego, cominho, pimenta do reino, pimenta calabresa, mostarda, canela, cravo, noz moscada, louro e cardamomo. É possível acrescentá-lo em receitas onde o sabor forte é bem-vindo, como nos pratos com ovos, sopas, aves, peixes, carnes, vegetais e grãos.

  • Namplá: O namplá é utilizado como sal na comida tailandesa. Ele é extraído do cozimento de peixes e vegetais e não prejudica a saúde. Além disso, a culinária tailandesa também não utiliza muito óleo, e a gordura costuma vir de seus próprios ingredientes – e mesmo assim nada exagerado para não deixar os pratos calóricos. Já pensou em seguir uma dieta tailandesa? 


  • Molho de ostra: É um condimento típico da culinária da China, popular nas cozinhas do Vietna e da Tailândia. É um molho espesso, com um sabor adocicado e forte em umami, tradicionalmente preparado fervendo ostras em água até obter um molho castanho.



  • Arroz de jasmin: Também chamado de “thai”, é o mais tradicional da culinária tailandesa. Os grãos são mais compridos, cristalinos e têm um aroma diferente. Não costuma ser temperado, já que os pratos em si tem um tempero mais forte, mas possuem um gosto característico muito bom.

  • Coentro: É uma erva aromática (esteticamente parecida com a salsa),tem um sabor um tanto picante e ardente.

Pratos típicos:


  • O Nam katee pla é um peixe cozido no coco com especiarias. É um dos pratos mais apreciados na Tailândia. Entre os ingredientes, estão o leite de coco, o açúcar mascavo, o hondashi, o nampla e cúrcuma.


  • Gai Phad Med Mamuang: É um frango frito com castanha de caju ao molho de ostras.


  • Pad Thai: É um talharim de arroz frito com camarões, amendoim, tamarindo, omelete, molho de peixe, talo de coentro, cebolinha, açúcar, e vegetais.

  • A maioria das sobremesas tailandesas são à base de fruta. O Kluay Buat Chii é a combinação de banana com leite de coco.





Na Tailândia come-se diversas vezes por dia, a cada uma ou duas horas. Uma característica forte do país é a comida de rua, uma expressão cultural, reflexo do amor e honra que os tailandeses têm pela culinária, passada de pai para filho. Eles tem um compromisso com a qualidade, identidade gastronômica, assim como na França por exemplo, a comida é o principal”, diz o especialista em culinária Thai. 



Em geral, os almoços dos tailandeses são mais simples e o jantar é a refeição “principal”. É nele que os pratos são mais elaborados e completos, com arroz, sopa, peixe, frutos do mar ou frango em suas diversas combinações com saladas, hortaliças, molho, sobremesa ou fruta.


Os molhos também são importantes, sendo considerados a base desta gastronomia. O molho de peixe, por exemplo, em muitos pratos substitui o uso do sal. Já o molho de ostras fermentadas ou aqueles que incorporam leite de coco são interessantes para suavizar os sabores.


Assim como na culinária mexicana, na Tailândia algumas pessoas também têm o hábito de inserir os insetos na alimentação. São comuns, principalmente, na área rural e nas cidades do interior. Os mercados de rua, tão comuns neste país, oferecem grande variedade de opções de pratos. Há diferentes tipos de porções de frango frito, batatinhas adocicadas e temperadas, milho...



Arranjos florais acompanhados de frutas e legumes cortados de forma delicada e criativa completam os pratos típicos da culinária tailandesa. Cada refeição pode ser comparada a um arco-íris de cheiros, cores e sabores que encantam apreciadores de uma boa gastronomia ao redor de todo o mundo.



Os países do continente asiático, apesar de cada um ter sua identidade gastronômica, se assemelham pelos ingredientes utilizados, visto que por serem vizinhos têm climas parecidos, alguns compartilham o mesmo rio, além das heranças acumuladas ao longo da história. “Estamos falando de países que respiram e amam sua culinária. 

Na Tailândia e em seus países vizinhos, como Myanmar, Tailandia, Laos, Cambodia, Vietnam, Malasia, Indonésia e China, se consome bastante inseto. 










Fonte: Culturamix, culináriatailandesa, wikipedia, foodmagazine, cozinhathai, viajenaviagem, groupon.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Receita: Panna Cotta/Panacota

Olááá pessoal!

Hoje trago para vocês uma receita muito fácil de fazer, com pouquíssimos ingredientes mas que juntos ficam uma delíciiia!

Quem já provou Panna Cotta? :D

Para quem não sabe, a Panacota ou Panna Cotta que na linguagem italiana significa "nata cozida" é uma sobremesa típica da região do Piemonte. É elaborada a partir de nata de leite (creme de leite), açúcar, gelatina e especiarias.

Pode-se consumir sozinha ou com compotas, caldas e frutas frescas.



Ingredientes:

-220 g creme de leite fresco
-40 g leite
-15 g açúcar
-3 g gelatina incolor em folhas ou em pó (1,5 folhas)
-1/3 baunilha em fava ou 3 ml essência de baunilha

Calda

-200ml de Vinho tinto suave
-80g de açúcar
-1 ramo pequeno de alecrim
-100g de frutas vermelhas (morango, mirtilo, framboesa, amora).

Modo de preparo:


1-Colocar a gelatina em aguá fria.
2-Aquecer o creme com o açúcar, o leite e a baunilha até desmanchar o açúcar.
3-Desligar.
4-Filtrar a mistura para retirar qualquer tipo de grumo do creme.
5-Juntar a gelatina espremida, mexendo para dissolver completamente. (Se desejar, pode filtrar outra vez).
6-Deixar esfriar, colocar nas forminhas e levar na geladeira por no mínimo 2  horas.

7-Calda: Misturar o açúcar, o vinho, as frutas vermelhas e o alecrim( tirar na metade da cocção).

8-Levar ao fogo médio mexendo sempre até quase atingir o ponto de geleia.

9-Deixar esfriar.
10-Servir a pana cotta com a calda por cima.

OBS: Se a calda ficar dura depois que esfriar, você pode aquecê-la e colocar um pouco de vinho para voltar a consistência desejada.

Para a calda da panna cotta, podemos utilizar diversos tipos de frutas e geleias como figo, ameixa, damasco, morango, mirtilo, framboesa e etc.

Pode acrescentar à calda especiarias de sua preferência para agregar sabor como canela, aniz, noz moscada, cravo da índia e etc.

Você pode servir empratado ou individual em verrines como mostra nas fotos abaixo:


Buono apetito!

domingo, 1 de maio de 2016

Arigo: Culinária Árabe

A cozinha Árabe além de ser muito saborosa e nutritiva é própria para dias de festa, já que as receitas foram pensadas exatamente para aconchegar convidados pois se vocês não sabem, uma das principais características é realmente a fartura. Os árabes gostam de receber bem, com mesas cheias de comida e esperam que as pessoas comam bastante o tempo todo

A culinária árabe é muito popular também por outros cantos do mundo. 

Os pratos têm uma variedade enorme de sabores e podem se adaptar a diversas ocasiões. 

O cordeiro com gengibre, por exemplo, é um prato para ocasiões em que se recebem várias pessoas. Já a leveza e a praticidade são a marca do sanduíche no pão sírio e de uma das saladas mais populares dessa gastronomia, o tabule, que mistura tomate, cebola, hortelã e pepino com o toque charmoso do trigo.

Sabores da Culinária

Carnes
O carneiro é o principal animal consumido. Sua carne é assada ou guisada, 
normalmente recheada e ricamente temperada. A carne de cabrito, a galinha e o peru também são apreciados.

Grãos
Entre os grãos destacam-se o trigo, a lentilha, a ervilha, o grão-de-bico e o arroz. Favas são típicas do Egito, 
presentes no fool midammis, sopa bem grossa à base de feijão, servida normalmente no café da manhã.

Verduras e Legumes
São preparados recheados e em conserva.


Na Síria e no Líbano, eles recebem o nome de mehchi; na Turquia, dolmas; na Grécia, dolmathes; no Irã, dolmeh.

Entre os principais legumes usados estão a abobrinha, repolho, folha de videira ou de parra, acelga, tomate, pimentão e berinjela. Vegetais em conserva, os kabees ou torshi são muitos populares e servidos como entrada ou acompanhamento


Frutas
São essenciais na culinária árabe.


Técnicas agrícolas transformaram o deserto em férteis campos verdes, onde crescem uvas, figos, romãs, ameixas, damascos, amêndoas, pistaches, avelãs, pinhões, tâmaras, azeitonas, goiabas, mangas, laranjas, bananas, abacates e melões.


As frutas são encontradas nos mercados ao natural, cristalizadas e secas, e, são usadas no preparo de bolos, pudins, caldas, geléias, saladas, ensopados de carne, docinhos, refrescos, xaropes e licores.
Especiarias
São muito utilizadas na culinária árabe para dar sabor ou perfume aos alimentos. 

As mais utilizadas são semente de anis, alcaravia, cravo-da-índia, cominho, gengibre, sumagre, noz-moscada, macis, semente de gergelim, alho, cebola, snoubar e pimenta-da-jamaica. 

Entre as ervas é usado manjericão, coentro, endro, funcho, manjerona, hortelã, salsa, alecrim e salva, açafrão e cardamomo. E como aromatizantes o almíscar, âmbar, água de rosas e água de flor de laranjeira. 

É comum cada país possuir seu próprio mix de especiarias, encontrado já pronto no comércio.

Os sírios fazem a bahar e a pimenta síria, que geralmente leva cravo, canela, noz-moscada, gengibre, pimenta-da-jamaica e pimenta-do-reino preta e branca.. Na Jordânia e no Líbano, existe a zahtar, mistura de folhas de zahtar, manjerona, tomilho, sementes de gergelim torradas e as bagas vermelhas e amargas do sumagre.


Os iemenitas preferem a zhug, pasta de cardamomo, cominho, alho e malagueta moídos que faz arder os lábios.
Peixe
É abundante no litoral do Oriente Médio. 

Os principais: salmonete, o peixe-espada e a sardinha marinados. 
Os pratos são temperados com uma rica seleção de especiarias e molhos. Na mesa, todos são regados a azeites de oliva.
Comer bem sempre
A comida farta à mesa é conhecida mundialmente. 
Colocar um árabe sentado à uma mesa com pouca variedade de alimentos, ou porções não generosas é uma ofensa de primeiro grau. 

Para eles, “o degustar dos alimentos” tem conotação também de encher a vista, tem que haver mesa cheia e precisa se fartar e ver que ainda sobrou muito, mesmo que este prato retorne para a mesa no dia seguinte, juntamente com outros (o que para eles não é problema algum já que o tempero pegará melhor…).
Tudo na comida árabe come-se com pão.
Podemos arriscar a dizer que os alimentos são comidos com as mãos, dispensando os talheres. 

O pão, com a agilidade dos dedos, remove qualquer alimento no prato, levando-o saborosamente à boca. 

Não estranhe, se eles passarem um pedaço de pão no alimento e levar até a sua boca, fazendo você comer. 
Muitas pessoas conhecem a comida árabe somente pela disseminação dos fast food, contudo ela vai muito além de esfihas e quibes.

Os árabes já passaram por mais de 4000 anos de história, com isso a sua cultura sofreu influências conforme sua disseminação.
Os temperos árabes devem servir apenas para realçar o sabor sendo adicionados na quantidade certa. 

Por exemplo, há quem não goste de misturar hortelã no quibe por acreditar que se perde o sabor da carne. Para que possamos conhecer um pouquinho desses temperos segue abaixo uma pequena lista:
Canela – kirfy- A canela da China que aparecem indistintamente em pratos doces e salgados.



Cravo-da-índia kabssh kurnful- Uma das mais antigas especiarias utilizada em doces. Quando em pratos salgados, normalmente está associado com canela.


Hortelã – naaná- Citada na mitologia grega é indispensável no tabule e inúmeros outros pratos.

Trigo – burghul- Vendido de diversas formas, cada um tem sua utilidade:




• trigo inteiro: para sopas (deve ficar sempre de molho de um dia para o outro)




• trigo grosso: usado como substituto do arroz





• trigo fino: para fazer quibe, tabule.



Abaixo segue a lista os principais pratos da Culinária Árabe :)



  • Tabule
  • kibe cru
  • kibe assado
  • Cuscuz marroquino
  • Hommus
  • Arroz com lentilha
  • Esfiha
  • kafta de carne
  • kebab
  • Falafel
  • Charuto de folha de uva
  • Abobrinha recheada 
  • Babaganoush
  • Pão Sírio
  • Chancliche
  • Coalhada fresca




Espero que tenham gostado ;)

Até a próxima!




Fonte:
Super chefs
Wikipédia
Culinária árabe- GNT
Correio Gourmand
ArabesQ
Árabe e Egípcio
Livro- Chef profissional
Cozinha de país a país